Queda Livre: a honestidade com o próprio desejo e suas perdas irreparáveis

freier_fall

Descobrindo os bons títulos do Netflix, eis que me deparo com Queda Livre (Freier Fall, de Stephan Lacant, 2013), muito bem avaliado pelos usuários. Resolvo então dar o “play” e me surpreendo, pois estava querendo ver um filme assim, denso, sensível e ao mesmo tempo quente e, porque não dizer, ardente.

Sucessor de Brokeback Mountain (Ang Lee, 2005), Queda Livre retrata a história de um policial, Marc (Hanno Koffler), em alta no seu trabalho, apreciado por seus superiores, estimado pelos colegas, no aguardo de uma promoção que lhe possibilitará uma vida melhor ao lado da esposa, grávida do primeiro filho do casal. Tudo tão estável, tão aparentemente tranquilo. Aparentemente.

free-fall-dvdNo quartel, ele conhece Kay (Max Riemelt, o loirinho de Sense 8), um colega que logo se torna parceiro de corridas entre outras atividades. A intimidade entre os dois vai crescendo: dividindo escapadas para fumar um baseado, um esperando o outro para iniciar o treino, até que o beijo acontece, inaugurando o conflito.

Após o primeiro beijo não programado, vem o beijo apaixonado, que Kay dá em Marc e ele faz que evita mas logo cede e o faz com vontade. A paixão acontece a ponto de um esperar o outro em meio à chuva torrencial para correr e, é claro, iniciar as peripécias sexuais deliciosas de se ver.

Para Kay, tudo muito bem resolvido, afinal ele é livre e quer viver esse amor, prova disso é que dá a Marc a chave de seu apartamento, se sentindo completamente a vontade. Marc, no entanto, não é livre e fica extremamente divido, pois sua esposa espera o primeiro bebê do casal.

A mudança de Kay para o mesmo distrito operacional de Marc faz com que os dois tornem-se companheiros não apenas de atividades físicas eventuais, mas parceiros diários de ofício e os sentimentos de um pelo outro não podem mais ser abafados: Marc também está apaixonado perdidamente por Kay, embora em discurso negue a homossexualidade. Claro que Marc embarca também na paixão, tanto que acaba se distanciando da esposa Bettina, mas não quer deixá-la. O que fazer com ela torna-se a questão.

freefallbigAs soluções para o impasse não são fáceis, nem simples, porque a realidade não é. Bettina, que já desconfiava de Marc, descobre que Kay estava muito presente na vida do marido, quase onipresente. Em meio ao nascimento da filha do casal, o conflito chega ao ápice, Bettina sai de casa com a bebê e Marc vai atrás e suplica pela sua volta. E finalmente conta a verdade, que se apaixonou por Kay mas não quer viver sem ela.

Marc procura Kay no apartamento dele e encontra tudo vazio. Kay havia seguido o seu caminho. O filme de Lacant mostra, em suma, que ser honesto consigo próprio muitas vezes pode magoar quem está sempre ao nosso lado e isso resulta em perdas. Irreparáveis perdas! Ou seja, é preciso ter coragem para se sustentar em plena “queda livre”.

Prêmios e participações em Festivais

  • Indicado como melhor Debut Film e ao Teddy no Festival de Berlim
  • Premiado como melhor Filme no Festival Internacional de Cinema Gay & Lésbico da Filadélfia, EUA
  • Premiado como melhor Direção no Festival de Cinema de Arte de Schwerin, na Alemanha
  • Exibido no Festival Mix Brasil em 2013

COMENTÁRIOS

Este artigo não possui comentários